Promoção da saúde, qualidade de vida e iniquidade em saúde: reflexões para a saúde pública.

Aline Rodrigues de Almeida, Filipe Tadeu Santanna Athayde

Resumo


A ideia de promover saúde tem se tornado uma energia fundamental no movimento de saúde coletiva, no qual saúde é um fenômeno social e marcado por iniquidades. Este trabalho teve como objetivo compreender as relações entre promoção da saúde e iniquidades de acesso e assistência em saúde, identificandoos entraves para uma prática equânime da saúde pública com ênfase à qualidade de vida. Os diferentes perfis de doença e suas mediações sociais ultrapassam os estudos de variação biológica e incorpora o foco na dimensão social das vulnerabilidades. Para promover saúde no Brasil, é indissociável do enfrentamento de uma realidade de iniquidades históricas de grandes proporções que impõem desafios cotidianos não apenas ao setor de saúde, mas a todos aqueles que constroem políticas públicas. A qualidade de vida depende da satisfação das necessidades básicas de todos os cidadãos, propondo uma gestão baseada na solidariedade social, uma visão holística dos problemas e a redução das iniquidades. A promoção da saúde em um país tão desigual como o Brasil propõe um desafio constante aos atores envolvidos no sistema de saúde. A compreensão das iniquidades em saúde para estabelecer uma assistência holística é um processo difícil, mas extremamente relevante para a saúde pública.

Palavras-chave


promoção da saúde; qualidade de vida; equidade em saúde.

Texto completo:

PDF

Referências


Minayo MCS, Hartz ZMA, Buss PM. Qualidade de vida e saúde: um debate necessário. Ciência e Saúde Coletiva. 2000:5(1):7-18.

Buss PM. Promoção da saúde e qualidade de vida. Ciência da Saúde Coletiva. 2000:5(1):163-177.

Ruffino NA. Qualidade de vida: compromisso histórico da epidemiologia. Saúde Debate. 1994:(35):63-7.

Organização mundial de saúde. Atenção primária de saúde. Conferência internacional sobre atenção primária de saúde. Alma-Ata, 1978, URSS, 6-12.

Souza EM, Grundy E. Promoção da saúde, epidemiologia social e capital social: interrelações e perspectivas para a saúde pública. Cad. Saúde Pública. 2004:20(5):1354-1360.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Política Nacional de Promoção da Saúde. 3. ed. Brasília: Ministério da Saúde, 2010.

Organização mundial de saúde. Primeira conferência internacional sobre promoção da saúde. Carta de Ottawa, 1986, Canadá.

Buss PM, Carvalho AI. Desenvolvimento da promoção da saúde no brasil nos últimos vinte anos (1988-2008). Ciência e Saúde Coletiva. 2009: 14(6): 2305-2316.

BRASIL. Lei 8.080 de 19 de setembro de 1990. Lei Orgânica da Saúde. Brasília, 19 set. 1990.

Buss PM, Pellegrini Filho A. A saúde e seus determinantes sociais. Rev Saúde Coletiva. 2007: 17(1): 77-93.

Barata RB. Iniquidade e saúde: a determinação social do processo saúde-doença. Revista USP. 2001: n.15, 138-145.

Pellegrini Filho A. Pesquisa em saúde, política de saúde e equidade na américa latina. Ciência e Saúde Coletiva. 2004:9(2):339-350.

Sperandio AMG, Correa CRS, Serrano MM, Rangel HA. Caminho para a construção coletiva de ambientes saudáveis – são Paulo, Brasil. Ciência e Saúde Coletiva. 2004:9(3):643-

BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF, Senado, 1998.

Magalhães R. Monitoramento das desigualdades sociais em saúde: significados e potencialidades das fontes de informação. Ciência e Saúde Coletiva. 2007:12(3):667-673.

Campos GW, Barros RB, Castro AM. Avaliação de política nacional de promoção da saúde. Ciência e SaúdeColetiva. 2004:9(3):745-749.

WHO Europe. Social Determinants of health: The Solid Facts. Copenhagen: WHO; 2003.

Guiotoku SK, Moysés ST, et al. Iniquidades raciais em saúde bucal no brasil. Ver Panam Salud Publica. 2012:31(2):135-41.

Coelho IB. Democracia sem equidade: um balanço da reforma sanitária e dos dezenove anos de implantação do sistema único de saúde no brasil. Ciência e Saúde Coletiva.

:15(1):171-183.

Thyry-Cherques HR. John rawls: economia moral da justiça. Revista Sociedade e Estado. 2011:26(3):551-563.

Barros RP, Henriques R, Mendonça R. Desigualdade e pobreza no brasil: retrato de uma estabilidade inaceitável. Rev Brasileira de Ciências Sociais. 2000:15(42):123-142.

Mendes EV. Município saudável: pra quê? Como? Seminário Nacional sobre Municípios Saudáveis. Faculdade de saúde pública da USP. 1999:13pp

Rocha AD, Okabe I, Martins MEA, Machado PHB, Mello TC. Qualidade de vida, ponto de partida ou resultado final? Ciência e Saúde Coletiva. 2000: 5(1):63-81.




DOI: http://dx.doi.org/10.18569/tempus.v9i2.1818



Direitos autorais 2016 Tempus Actas de Saúde Coletiva

Revista Tempus - Actas de Saúde Coletiva (ISSN 1982-8829).
Revista coordenada pela Unidade de Tecnologias da Informação e Comunicação em Saúde (UTICS) do Núcleo de Estudos de Saúde Pública (NESP) da Universidade de Brasília (UnB).
Licença Creative Commons
This work is licensed under a Creative Commons Atribuição-Uso não-comercial-Compartilhamento pela mesma licença 3.0 Unported License.
____________________________________

____________________________________