Morbimortalidade Neonatal em Unidade de Terapia Intensiva

Adrielle Dantas Santiago, Maria Nice Dutra de Oliveira, Lívia Lessa de Oliveira, Elzo Pereira Pinto Junior

Resumo


Este estudo objetiva descrever as morbidades e mortalidade de recém-nascidos internados em Unidade de Terapia Intensiva Neonatal. Neste contexto utilizou-se de uma abordagem descritiva, transversal, utilizando dados dos prontuários dos recém-nascidos internados em Unidade de Terapia Intensiva Neonatal, com população constituída por trinta neonatos e dados analisados através de frequência simples e percentual. Os resultados identificaram que a maioria dos neonatos era do sexo masculino, com nascimento pré-termo e de parto vaginal. As afecções respiratórias foram as principais morbidades encontradas na unidade e o óbito foi o desfecho clínico de 23,1% dos casos. As morbidades como a prematuridade podem trazer consequências respiratórias ao recém-nascido e que a unidade tem papel importante na assistência neonatal. Sugere-se dar seguimento às investigações para embasar cientificamente ações de promoção de saúde para as gestantes e ações de conscientização aos profissionais de saúde no município.

Palavras-chave


recém-nascido; epidemiologia; unidades de terapia intensiva neonatal

Texto completo:

PDF PDF (English)

Referências


Silva LJ da, Silva LR da, Christoffel MM. Tecnologia e humanização na Unidade de Terapia Intensiva Neonatal: reflexões no contexto do processo saúde-doença. Rev da Esc Enferm da USP. 2009;43(3):684–9.

Basso CG, Neves ET, Silveira A. Associação entre realização de pré-natal e morbidade neonatal. Texto Context Enferm. 2012;21(2):269–76.

Tadielo BZ, Neves ET, Arrué AM, Silveira A da, Ribeiro AC, Tronco CS, et al. Morbidade e mortalidade de recém-nascidos em tratamento intensivo neonatal no sul do Brasil. Rev da Soc Bras Enfermeiros Pediatras [Internet]. 2013;13(1):7–12. Recuperado de: http://www.seer.ufsj.edu.br/index.php/recom/article/viewFile/401/566

Brasil. Ministério Da Saúde. Atenção ao pré-natal de baixo risco [Internet]. Editora do Ministério da Saúde, 2012. Ministério da Saúde; 2012. 318 p. Recuperado de: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/cadernos_atencao_basica_32_prenatal.pdf

World Health of Organization. World Health Statistics: 2016. 2016. p. 103–20.

Victora CG, Aquino EML, Leal M do C, Monteiro CA, Barros FC, Szwarcwald CL. Maternal and child health in Brazil: progress and challenges. Lancet [Internet]. Elsevier Ltd; 2011;377(9780):1863–76. Recuperado de: http://dx.doi.org/10.1016/S0140-6736(11)60138-4

Lansky S, Friche AA de L, Silva AAM da, Campos D, Bittencourt SD de A, Carvalho ML de, et al. Pesquisa nascer no Brasil : perfil da mortalidade neonatal e avaliação da assistência à gestante e ao recém-nascido. Cad Saúde Pública [Internet]. 2014;30(Sup):192–207. Recuperado de: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0102311X2014001300024&script=sci_arttext

Gautam S, Agrawal A, Bangre A. Original article Impact of a tertiary sick newborn care unit on neonatal mortality and morbidity. Int J Healthc Biomed Res. 2016;4(3):55–9.

Organização Mundial da Saúde. CID-10 Classificação Estatística Internacional de Doenças e Problemas Relacionados à Saúde. 10o ed. São Paulo: Universidade de São Paulo; 1997. 2 p.

Lima SS de, Silva SM da, Avila PES, Nicolau MV, Neves PFM das. Aspectos clínicos de recém-nascidos admitidos em Unidade de Terapia Intensiva de hospital de referência da Região Norte do Brasil. ABCS Heal Sci. 2015;40(3):62–8.

Magalhães FJ, Lima FET, Rolim KMC, Cardoso MVLML, Scherlock M do SM, Albuquerque NLS de. Respostas fisiológicas e comportamentais de recém-nascidos durante o manuseio em Unidade De Terapia Intensiva Neonatal. Rev Rene Fortaleza. 2011;12(1):136–43.

Granzotto JA, Mota DM, Real RF, Dias CM, Teixeira RF, Filho JCM, et al. Análise do perfil epidemiológico das internações em uma unidade de terapia intensiva neonatal. Revisa da Assoc Médica do Rio Gd do Sul. 2012;56(4):304–7.

Harrison W, Goodman D. Epidemiologic Trends in Neonatal Intensive Care, 2007-2012. JAMA Pediatr [Internet]. 2015;169(9):855–62. Recuperado de: http://archpedi.jamanetwork.com/article.aspx?articleid=2381545

Oliveira TG de, Freire PV, Moreira FT, Moraes J da SB de, Arrelaro RC, Rossi S, et al. Escore de Apgar e mortalidade neonatal em um hospital localizado na zona sul do município de São Paulo. Einstein. 2012;10(1):22–8.

Silva CF da, Leite ÁJM, Almeida NMGS de, Leon ACMP de, Olofin I, Catro ECM, et al. Fatores associados ao óbito neonatal de recém- nascidos de alto risco: estudo multicêntrico em Unidades Neonatais de Alto Risco no Nordeste brasileiro. Cad Saúde Pública. 2014;30(2):355–68.

Domingues RMSM, Dias MAB, Nakamura-Pereira M, Torres JA, D’Orsi E, Pereira APE, et al. Processo de decisão pelo tipo de parto no Brasil : da preferência inicial das mulheres à via de parto final. Cad Saúde Pública. 2014;30:101–16.

Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Brasil). Obrigatoriedade de os médicos entregarem a nota de orientação à gestante. no 398 2016.

Silva AAM da, Leite ÁJM, Lamy ZC, Moreira MEL, Gurgel RQ, Cunha AJLA da, et al. Morbidade neonatal near miss na pesquisa Nascer no Brasil. Cad Saude Publica [Internet]. 2014;30:182–91. Recuperado de: http://www.arca.fiocruz.br/handle/icict/9601

Gravena AAF, Paula MG de, Marcon SS, Carvalho MDB de, Pelloso SM. Idade materna e fatores associados a resultados perinatais. Acta Paul Enferm. 2013;26(2):130–5.

Costa AL do RR, Araujo Junior E, Lima JW de O, Costa F da S. Fatores de risco materno associados a necessidade de unidade de terapia intensiva neonatal. Rev Bras Ginecol e Obstet [Internet]. 2014;36(1):29–34. Recuperado de: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S010072032014000100029

Bustamante T de F, Gonçalves T de A, Ferreira G, Moraes AG de. Estudo sobre a mortalidade em UTI Neonatal de um Hospital Escola no Sul de Minas. Rev Cência em Saúde [Internet]. 2014;4(2). Recuperado de: http://200.216.240.50:8484/rcsfmit/ojs-2.3.3-3/index.php/rcsfmit_zero/article/view/231

Brasil. Ministério da Saúde. Atenção à Saúde do Recém-Nascido: guia para os profissionais de saúde. Ministério da Saúde; 2012. 195 p.

Brasil. Ministério da Saúde. Síntese de evidências para políticas de saúde: mortalidade perinatal. Ministério da Saúde; 2012. 44 p.

Ribeiro ASC, Formiga CKMR, David AC de. Healthy preterm infants: global motor coordination and early intervention. Fisioter em Mov [Internet]. 2015;28(1):85–95.

Carneiro JA, Vieira MM, Reis TC, Caldeira AP. Fatores de risco para a mortalidade de recém-nascidos de muito baixo peso em unidade de terapia intensiva neonatal. Rev Paul Pediatr. 2012;30(3):369–76




DOI: http://dx.doi.org/10.18569/tempus.v11i1.1977



Direitos autorais 2017 Tempus Actas de Saúde Coletiva

Revista Tempus - Actas de Saúde Coletiva (ISSN 1982-8829).
Revista coordenada pela Unidade de Tecnologias da Informação e Comunicação em Saúde (UTICS) do Núcleo de Estudos de Saúde Pública (NESP) da Universidade de Brasília (UnB).
Licença Creative Commons
This work is licensed under a Creative Commons Atribuição-Uso não-comercial-Compartilhamento pela mesma licença 3.0 Unported License.
____________________________________

____________________________________