O trabalho alienado e a alienação mental: a reforma psiquiátrica no capitalismo

Jamila Zgiet

Resumo


O artigo faz um paralelo entre o trabalho alienado na perspectiva marxista e a alienação mental. Para levantar hipóteses sobre essa correlação, considera-se a dupla utilidade da instituição psiquiátrica, de isolar e tratar pessoas que apresentem comportamento desviante. Permanece, não apenas na saúde, mas nas diversas políticas sociais, a compreensão do trabalho – em seu sentido estrito – como único meio de acesso a direitos, e do salário como única forma de manutenção da vida. Os programas de assistência social destinados a pessoas impedidas de trabalhar – crianças, idosos e pessoas com deficiência – são uma manifestação dessa centralidade, pois a única possibilidade apresentada a essas pessoas é de sobrevivência com valores monetários pífios. No entanto, as pessoas com transtorno mental não têm sequer esses direitos no âmbito da política de assistência social no Brasil, o que revela uma incompreensão quanto à natureza dos transtornos mentais ou uma compreensão de que eles são, na verdade, desvios morais ou simulações com o objetivo de manter as pessoas afastadas do trabalho. A inserção e a manutenção no mercado de trabalho são consideradas indicadores positivos no âmbito da saúde, sendo um determinante social de saúde ou um sinalizador de alta médica e ou psicossocial. Por outro lado, o trabalho é um dos elementos mais estressores da contemporaneidade e o ambiente de trabalho é um dos mais propícios ao desenvolvimento de transtornos mentais. Este artigo dedica-se à tentativa de elucidar essas contradições, questionando em que medida a reforma psiquiátrica teria um potencial revolucionário diante dos desafios que emergem numa sociedade capitalista.

Palavras-chave


Reforma psiquiátrica. Saúde mental. Trabalho.

Texto completo:

PDF PDF (English)

Referências


Alessi NP, Oliveira AGB. Cidadania: instrumento e finalidade do processo de trabalho na reforma psiquiátrica. Ciência & Saúde Coletiva, v. 10, n. 1, p. 191-203, mar. 2005.

Arendt H. A condição humana. 10ª edição. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2007.

Barros DD. Cidadania versus periculosidade social: a desinstitucionalização como desconstrução do saber. In: Amarante P (Org.). Psiquiatria social e reforma psiquiátrica. Rio de Janeiro: Fiocruz, 1992, p. 171-195.

Bezerra Jr B. Desafios da reforma psiquiátrica no Brasil. Physis: Revista de Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, n. 17, v. 2, p. 243-250, 2007.

Bourdieu P, Wacquant L. O imperialismo na razão neoliberal. Revista Sociologia em Rede, vol. 3, n. 3, Goiânia, p. 82-87, 2013.

Castel R. A ordem psiquiátrica – a idade de ouro do alienismo. Rio de Janeiro: Graal, 1978.

Castro E. Vocabulário de Foucault: um percurso pelos seus temas, conceitos e autores. Belo Horizonte: Autêntica, 2009.

Foucault M. Ditos e escritos. Vol. 3. Paris: Gallimard, 1994.

______. Os anormais. Paris: Gallimard-Seuil, 1999a.

______. Vigiar e punir. Petrópolis: Vozes, 1999b.

Gorz A. Metamorfoses do trabalho. São Paulo: Annablume, 2003.

Henckes N. Le nouveau monde de la psychiatrie française. Les psychiatres, l'Etat et la reforme des hôpitaux psychiatriques de l'après guerre aux années 1970. Sociology. École des Hautes Études en Sciences Sociales (EHESS), 2007. Français.

Hespanha P, Matos AR. Compulsão ao trabalho ou emancipação pelo trabalho? Para um debate sobre as políticas activas de emprego. Sociologias, Porto Alegre, n.4, p.88-108, Dez. 2000. Disponível em

. Acesso em 02 de julho de 2015.

Jorge MSB, Randemark NFR, Queiroz MVO, Ruiz EM. Reabilitação psicossocial: visão da equipe de saúde mental. Revista Brasileira de Enfermagem, n. 59, v. 6, p. 734-739, nov./dez., 2006

Lessa S. Trabalho, sociabilidade e individuação. 2006. Disponível em Acesso em 04 jul. 2015.

Oliveira WF, Dorneles P. Patrimônio e ambiente da loucura: a formação do profissional de saúde mental e o diálogo com a vida da cidade. In: Amarante P (Coord.). Archivos de saúde mental e atenção psicossocial 2. Rio de Janeiro: Nau, 2005.

Passos IF. Reforma psiquiátrica: as experiências francesa e italiana. Rio de Janeiro: Fiocruz, 2009.

Pelbart PP. Da clausura do fora ao fora da clausura: loucura e desrazão. São Paulo: Iluminuras, 2009.

Rotelli F. Superando o manicômio: o circuito psiquiátrico de Trieste. In: Amarante P (Org.). Psiquiatria social e reforma psiquiátrica. Rio de Janeiro: Fiocruz, 1992, p. 149-169.

Saraceno B. A concepção de reabilitação psicossocial como referencial para as intervenções terapêuticas em saúde mental. Rev. Ter. Ocup. Univ. São Paulo, v. 9, n. 1, p. 26-31, jan./abr., 1998.

Scliar M. História do conceito de saúde. Physis: Revista de Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, n. 17, v. 1, p. 29-41, 2007.

Whitaker D. Cultura e doença mental. In: D’Incao MA (Org.). Doença mental e sociedade: uma discussão interdisciplinar. Rio de Janeiro: Graal, 1992.




DOI: http://dx.doi.org/10.18569/tempus.v11i3.2433



Direitos autorais 2018 Tempus Actas de Saúde Coletiva

Revista Tempus - Actas de Saúde Coletiva (ISSN 1982-8829).
Revista coordenada pela Unidade de Tecnologias da Informação e Comunicação em Saúde (UTICS) do Núcleo de Estudos de Saúde Pública (NESP) da Universidade de Brasília (UnB).
Licença Creative Commons
This work is licensed under a Creative Commons Atribuição-Uso não-comercial-Compartilhamento pela mesma licença 3.0 Unported License.
____________________________________

____________________________________